Julho 10 2010

 

Neste meu porto ancorada

Com muito do meu passado

Tenho um arquivo sagrado

Num canto desta Jangada

 

Guardo nele as alegrias

Das boas recordações

Momentos de fantasias

Em dossiers de paixões

 

Tenho resmas de saudade

Cadernos de sentimentos

Atados com bons momentos

Em pastas de felicidade

 

Tenho em folha separada

Sonhos, por mim inventados

Em noites sem madrugada

Por insónias sustentados

 

                                    Tenho no porão da Jangada

                                     Fechado com sete pregos

                                     Um destino de nós cegos

                                     De uma meada empessada

 

                                      São parte da minha vida

                                      Com percurso em labirinto

                                      Das angústias que hoje sinto

                                      Desejo vê-la esquecida

         

                                      Tenho nas marés da Ria

                                       Com águas em movimento

                                       Que lavam dia após dia

                                       As mágoas do pensamento

 

                                     

                                     

                                     

 

                                     

                                     

 

                                     

                                     

 

                                         

 

                                     

                                     

 

  

 

 

 

 

 

 

publicado por severino às 22:58

Amigo Severino. Simplesmente lindo.
Desvendar um pouco dos segredos duma jangada ancorada,que é sua mas que nos recorda que as nossas ainda andam por vezes ao sabor da maré.
Um grande abraço.
rodrigando a 11 de Julho de 2010 às 01:46

Olá Adélia

Passo os dias junto ao Mar
Ao sabor da maresia
Por vezes a meditar
Acabo em Maré Vazia

Mas se fôr de Maré Cheia
Numa noite de Luar
O Mar esconde-me a Areia
Não me a deixa comtemplar

Assim, regresso à jangada
Onde tenho o meu castigo
Fico de Porta trancada
Aqui nada faz sentido

Um novo ano cheio das maiores Felicidades
Um Abraço amiga
J/severino
severino a 12 de Julho de 2010 às 09:44

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
15
17

18
19
20
21
22
23
24

27
28
29
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO