Julho 10 2010

 

Neste meu porto ancorada

Com muito do meu passado

Tenho um arquivo sagrado

Num canto desta Jangada

 

Guardo nele as alegrias

Das boas recordações

Momentos de fantasias

Em dossiers de paixões

 

Tenho resmas de saudade

Cadernos de sentimentos

Atados com bons momentos

Em pastas de felicidade

 

Tenho em folha separada

Sonhos, por mim inventados

Em noites sem madrugada

Por insónias sustentados

 

                                    Tenho no porão da Jangada

                                     Fechado com sete pregos

                                     Um destino de nós cegos

                                     De uma meada empessada

 

                                      São parte da minha vida

                                      Com percurso em labirinto

                                      Das angústias que hoje sinto

                                      Desejo vê-la esquecida

         

                                      Tenho nas marés da Ria

                                       Com águas em movimento

                                       Que lavam dia após dia

                                       As mágoas do pensamento

 

                                     

                                     

                                     

 

                                     

                                     

 

                                     

                                     

 

                                         

 

                                     

                                     

 

  

 

 

 

 

 

 

publicado por severino às 22:58

Olá, amigo! Vim retribuir a sua vista e, tanto quanto pude constatar, partilhamos uma paixão que, em mim se está agora a "acender"; a redondilha maior. E tem uma fluência magnífica, Severino!
Se lhe aprouver dar uma espreitadela às minhas redondilhas, deixo-lhe o link http://asmontanhasqueosratosvaoparindo.blogs.sapo.pt/
Se preferir o soneto clássico em decassílabo heróico, esse publico-o no http://poetaporkedeusker.blogs.sapo.pt/

Abtraço poético!
Maria João Brito de Sousa a 13 de Julho de 2010 às 14:33

Distinta Poetisa
Agradeço-lhe a ritribuição da visita, mas olhe que sou um seu visitante muito assiduo, nos dois blogs que refere.
Encontro-os cruzados com vários por onde passo e dai tê-los localizado.
Sabe, sou um "analfabeto" em termos técnicos no domínio dessa arte, não vou além de umas simples rimas que quase sempre faço por brincadeira e só!...Sinto-me muito pequenino quando vejo a profundidade maravilhosa,tão completa de sentido, em tudo o que escreve ; Sem ter essa capacidade de expressão,tenho o previlégio de absorver todo esse desfiar de sentimentos, de que tanto gosto e admiro.
Pode contar comigo como um seu leitor assíduo e desde já lhe agradeço todo o prazer que tenho desfrutado na leitura dos seus escritos.
Cordiais saudações
Um modesto admirador
J/severino
severino a 14 de Julho de 2010 às 13:53

Deixa-me sem palavras, meu caro Severino... é estranho... tenho sempre a sensação de que as pessoas me estão a ler pela primeira vez, a não ser quando utilizam os nomes que já conheço. Mas fico muito feliz por poder dar momentos de agradável leitura a outro ser humano. Estou a falar muito sinceramente, acredite! Eu penso que sou muito desajeitada a fazer outras coisas e esta é a minha única forma de poder servir o meu próximo.
Abraço poético e muito obrigada pelas suas palavras.

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Julho 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3

4
5
6
7
8
9

11
12
13
15
17

18
19
20
21
22
23
24

27
28
29
31


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO