Novembro 04 2010

 

Levantam-se uns temporais

Com ventos vindos do Norte

Frios, cinzentos...fatais

De fúrias, pronúncio de morte

 

Reduzi-me a grão de areia

A Sul no grande Areal

Mergulhado em maré cheia

Bem longe do lamaçal

 

Nesta minha dimensão

Espero não incomodar

Os Deuses que o não são

Que estão fora do lugar

 

 

Submergido no meu mundo

De argumentos banais

No meu espaço sossegado

 

De falsos eu não me inundo

Escondido dos temporais

Os Ventos passam-me ao lado

 

publicado por severino às 10:35

adorei este seu poema muito lá bem fora bem dentro de um temporal amei...beijinho
Sónia Maria Da Fonseca Pereira a 11 de Novembro de 2010 às 17:31

De
 
Nome

Url

Email

Guardar Dados?

Ainda não tem um Blog no SAPO? Crie já um. É grátis.

Comentário

Máximo de 4300 caracteres



Copiar caracteres

 



mais sobre mim
Novembro 2010
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

15
16
18
19

21
22
25
26
27

28
30


pesquisar
 
subscrever feeds
blogs SAPO